quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

MÚSICA DA PATULÉIA



   Estou ouvindo Almir Sater e seu disco “Sete Sinais”.
   Disco com uma boa introdução, bom começo para assimilar a bela cultura da região centroeste. Cultura que está sendo sufocada pela indústria do entretenimento descartável.
   O dito sertanejo universitário, arrocha, funk e outras subcategorias musicais tem sua lógica calcada no descartável e consumo fácil.
   Claro que há exceção, Mc Leonardo, Katia com K e uma meia dúzia de gatos pingados, mas, a maioria está inconscientemente a serviço do consumo burro, fácil e esquecível. Sim esquecível, pois, o povo está com uma memória cada vez mais curta como um disquete dos anos 80.
   Antes de mais nada esclareço que o funk  citado nada tem haver com  o funk da música negra dos anos 70. Nada contra a indústria do entretenimento. Até por que é através do lúdico que será possível que será possível fazer as pessoas adentrarem em um universo cultural e intelectual mais amplo e complexo.
O problema reside nas massas adormecidas que consomem apenas entretenimento sem nenhuma pretensão de elevar sua cultura " Rir é o melhor e único remédio".
  O humor de bordão nunca saiu de moda. O palavrão causa catarse quando pronunciado pelas músicas sertanojentas das massas. Exemplo: bebo pra carai! A patuleia quase goza por pronunciar caralho disfarçadamente.
   E o que dizer de um senhor com mais de cinquenta anos, ares rudimentares de um trabalhador de fazenda cantando o refrão – “prepara...” da nova musa do funk, Anita.

  O senso comum está apodrecendo e nos cercando. O bom que tem porcarias que desaparecem como um passe de mágica. Michel Teló sumiu. Graças a Deus!

Nenhum comentário:

Postar um comentário